Sinopse
Podem o Estado e os profissionais de saúde transigir com quem recusa cuidados de eficácia e segurança comprovadas, colocando em risco a saúde e a vida dos mais desprotegidos?
Com grávidas que escolhem o parto em casa, pais de crianças não vacinadas, doentes psiquiátricos incapazes e que recusam internamento, publicidade enganosa sobre terapêuticas não convencionais e com pessoas em processo de mudança de género sem consulta médica, quando o diálogo falha ou é impossível, quando argumentos científicos nem sempre são suficientes para modificar comportamentos irracionais e emocionais, como devem actuar os profissionais de saúde?
Estando em causa a defesa da saúde e da vida dos mais vulneráveis e desprotegidos, o Estado e os profissionais de saúde têm eticamente o direito e o dever de intervir de forma eficaz e pedagógica.
Ler mais Ler menos

Detalhes

  • ISBN: 9789722130066
  • Editora: CAMINHO
  • Ano de Edição / Impressão: 2019
  • Dimensões: 209 x 136 x 14 mm
  • Páginas: 248
O autor
Miguel Oliveira da Silva é Professor Catedrático de Ética Médica na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, obstetra-ginecologista no Hospital de Santa Maria, licenciado em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
Foi presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (2009-2015), Coordenador de três Projectos sobre Saúde Sexual e Reprodutiva na União Europeia (2003-2011) e pertenceu ao Bureau do Departamento de Direitos Humanos – Bioética do Conselho da Europa (2016-2019), para o qual foi reeleito em Novembro de 2018.
Ler mais Ler menos