Sinopse
O snob caracterizado neste livro é alguém pobre ou rico, de condição social elevada – ou que assim se considera –, pertencente à alta sociedade e com raízes na nobreza, a quem qualquer outra forma de estar pode causar reserva, enfado ou desdém, e cujos hábitos, predilecções, comportamento e léxico se constituem por um conjunto de regras e códigos vitalícios muito exclusivos, imediatamente reconhecidos pelos pares, que podem abespinhar outras «tribos» pela presunção de excelência.
Em Portugal, como em todo o mundo, o grupo é fechado, sóbrio e discreto, situando-se nos antípodas, por exemplo, do jet set, de que em regra se demarca, horrorizado pelo espalhafato da sua conduta, a vulgaridade do seu gosto e o alarde dos seus bens.
Para caracterizar o exemplar português, a escritora Rita Ferro, criada nos mesmos ambientes e sempre provocadora, oferece-nos agora um retrato cirúrgico de como fala e se comporta um verdadeiro snob, sob a forma de um dicionário, ilustrado por Sérgio Condeço, revelando os segredos e mistérios de um tipo de vida que sobrevive, quase incólume, a toda a modernidade.
Ler mais Ler menos

Detalhes

  • ISBN: 9789722075282
  • Editora: DOM QUIXOTE
  • Ano de Edição / Impressão: 2022
  • Dimensões: 209 x 136 x 20 mm
  • Páginas: 288

PROMOÇÕES ATIVAS

Novidades NATAL - 20% a 50% desconto em TODOS os livros
O autor
Rita Ferro nasceu em Lisboa, em 1955. Estudou Design, especializou-se em Marketing, foi professora de Publicidade e exerceu funções de direcção e consultoria em diversas empresas. Iniciou a sua carreira literária em 1990, arriscando um novo tipo de escrita feminina que, tendo obtido um enorme êxito e revolucionado o mercado literário português, conheceu inúmeros seguidores. Criou um estilo e, com ele, um novo género. Distingue-se por uma técnica de narração mordaz e cativante, de grande versatilidade. Ao longo de trinta anos, escreveu romances, cartas, biografias, livros de crónicas, literatura juvenil e peças de teatro. Além de jurada literária e de festivais de cinema, é presença regular na imprensa, na rádio e na televisão. Em 2009, integrou o conselho consultivo da recém-criada Fundação António Quadros, Cultura e Pensamento, dedicada à memória de seu pai e de seus avós. Ao seu romance biográfico A menina é filha de quem? (2011) foi atribuído o prémio PEN Clube Português de Narrativa. Um Amante no Porto (2018) é o seu mais recente romance.
Ler mais Ler menos