Sinopse
Chantal e Jean-Marc vivem juntos em Paris, e amam-se tanto que por vezes parecem confundir-se. Há situações em que, por um instante, nenhum dos dois se reconhece, em que a identidade do outro se dissolve e em que, consequentemente, cada um duvida da sua própria identidade. Todo aquele que ama, todo aquele que faz parte de um casal, já experimentou essa sensação, porque o que mais teme no mundo aquele que ama é «perder de vista» o ser amado.
Pouco a pouco, é isso que acontece a Chantal e a Jean-Marc. Mas em que instante, diante de que gesto, em que circunstância precisa começa essa processo aterrador?
É nesse momento de pânico que Kundera agarra o leitor, obrigando-o a mergulhar no labirinto que o próprio casal percorre e a cruzar, como ele, a fronteira entre o real e o irreal, entre o que ocorre no mundo exterior e o que, solitariamente, elabora uma mente dominada pela insegurança.

De todos os escritores contemporâneos, apenas Kundera consegue transformar essa percepção oculta e desconcertante na matéria de um romance, um dos seus melhores, mais dolorosos e reveladores. E que, surpreendentemente, acaba por ser uma história de amor.
Ler mais Ler menos

Detalhes

  • ISBN: 9789722065474
  • Editora: DOM QUIXOTE
  • Ano de Edição / Impressão: 2020
  • Dimensões: 234 x 157 x 10 mm
  • Páginas: 144
O autor
Milan Kundera nasceu a 1 de abril de 1929, em Brnö, na antiga Checoslováquia. Em 1975 fixou residência em Paris, tendo, em 1981, adotado a nacionalidade francesa.
Autor de uma vasta obra, que abrange o romance, o ensaio e a poesia, é considerado um dos mais importantes escritores do século XX. A Insustentável Leveza do Ser é a sua obra mais aclamada pelos leitores e pela crítica, e em muito contribuiu para o tornar num autor reconhecido internacionalmente.
Entre outros, foram atribuídos a Milan Kundera o Prémio Médicis (1973), o Prémio Mondello (1978), o Prémio Common Wealth (1981), o Prémio Jerusalém (1985) e o Prémio Independent de Literatura Estrangeira (1991).
Ler mais Ler menos