Sinopse

Em Portugal, frequentemente, o imaginário colectivo reduz os conceitos de «tradição» e/ou «direita» ao legado do Estado Novo e do seu arquitecto António de Oliveira Salazar. Contrariando essa tendência redutora, a presente obra pretende apresentar uma panorâmica alargada sobre esse mundo, através de uma série de capítulos elaborados por autores com investigação sólida e aprofundada sobre os respectivos temas.
Numa narrativa com um compasso temporal de quase dois séculos de história política de Portugal, caracterizam-se os fenómenos mais representativos do anseio de encarnar a tradição: a primeira metade do século xix, com o movimento miguelista; a alvorada do século xx, com Sidónio e o nacionalismo anti-liberal; o Estado Novo com as diferentes facetas do ideário católico, monárquico, nacional revolucionário; o regime democrático, com as tentativas das direitas radicais e das direitas moderadas de redefinir os respectivos patrimónios doutrinários entre o fim do século xx e o princípio do novo milénio.


Riccardo Marchi nasce na cidade italiana de Pádua em 1974, onde cursa na Faculdade de Ciências Políticas. Nos anos da universidade amadurece os seus interesses no campo do pensamento político e dos movimentos radicais, principalmente os de cariz nacional-revolucionário, neofascista e de direita radical. Em 2000, licencia-se com  uma tese sobre o Estado Novo e o fim do império português (1945-1975). Durante as investigações em Portugal, interessa-se pela dinâmica das direitas radicais no fim do Estado Novo, tema que, em 2005, se tornou em definitivo o seu projecto de doutoramento em História, no ISCTE. Desde 2008 que é investigador de pós-doutoramento no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, com um projecto sobre as direitas radicais na democracia portuguesa.

Ler mais Ler menos

Detalhes

  • ISBN: 9789724744896
  • Editora: TEXTO
  • Ano de Edição / Impressão: 2014
  • Dimensões: 235 x 157 x 31 mm
  • Páginas: 448