António Lobo Antunes: As Formas Mudadas

Coleção: António Lobo Antunes / Ensaio
Brinde
letras_leya
20
Letras

António Lobo Antunes: As Formas Mudadas

Coleção: António Lobo Antunes / Ensaio
Contemporânea e clássica, certamente multímoda, a obra de António Lobo Antunes é aquela que pretende “mudar a arte da escrita”. 
Em António Lobo Antunes: As Formas Mudadas, título que retoma uma das obras que mais tem influenciado a cultura ocidental, as Metamorfoses de Ovídio, percorremos os caminhos da obra que nunca se fixa, que se constrói em avatares constantes, seja nas várias tendências estéticas, nos temas, na mundividência, na sensibilidade, na concepção e/ou composição da escrita, em suma, na sua “poética” (a importância do lateral, dos interstícios, da transfiguração verbal, do indecidível, do fragmentário, do suspenso, da metaficção). 
Em António Lobo Antunes: As Formas Mudadas verificamos que a obra de António Lobo Antunes é aquela que se adianta ao seu próprio tempo, mas é, de igual modo, aquela que não desdenha a herança dos clássicos, com os quais contacta em permanência, para “sobreviver ao tempo, ao ferro e ao fogo”. 
Nenhum ensaio estabelece interpretações definitivas – muito menos em literatura. António Lobo Antunes: As Formas Mudadas, volume 7 da Colecção António Lobo Antunes-Ensaio, pretende tão-só interrogar-se sobre os sentidos da arte e, com ela, da vida. Afinal, e parafraseando o próprio António Lobo Antunes, “Como se pode agarrar, digam-me lá, o que constantemente muda?”
Ler mais
Ano de Edição / Impressão / 2016
Número Páginas / 248

Dimensões / 235 x 17 x 156 mm
ISBN / 9789724751092
Editora / TEXTO
Promoções Ativas: Oferta de portes CTT48
Autor
Norberto do Vale Cardoso nasceu em Chaves, em 1976. 
Licenciado em Ensino de Português e Inglês pela Universidade do Minho, inicia, em 1998/1999, a sua actividade de professor do ensino secundário, que mantém actualmente na Escola Profissional de Chaves. Em 2004 conclui, também na Universidade do Minho, o Mestrado em Teoria da Literatura e Literatura Portuguesa, com a tese intitulada Autognose e (Des)Memória: Guerra Colonial e Identidade Nacional em Lobo Antunes, Assis Pacheco e Manuel Alegre. 
Nessa instituição inicia ainda, em 2005, o Doutoramento em Ciências da Literatura – Ramo de Literatura Portuguesa, curso que, apoiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, termina em 2010, com a apresentação pública da tese A Mão-de-Judas: Representações da Guerra Colonial em António Lobo Antunes, que aqui apresenta reformulada.
Colaborou em muitos congressos com comunicações da especialidade, e é autor de vários livros de poesia, tendo sido incluído em antologias.